A EXIGÊNCIA DE REGULARIDADE FISCAL DE MICROEMPRESA EM PREGÕES

A EXIGÊNCIA DE REGULARIDADE FISCAL DE MICROEMPRESA EM PREGÕES

Por Manolo Del Olmo (OAB/SC 13.976) – Advogado Titular da Del Olmo & Advogados Associados

Ocorre com certa frequência em pregões presenciais a inabilitação de licitantes microempresas, isto em decorrência da falta de Certidão Conjunta Negativa de Débitos Relativos aos Tributos Federais e à Dívida Ativa da União, emitida pela Receita Federal.

Penso que muitas destas inabilitações são indevidas, já que o Pregoeiro só pode exigir a prova da regularidade “para efeito de assinatura do contrato”, como quer o art. 42 da Lei Complementar n. 123/06. O disposto no referido artigo veda a exigência da CND para efeito de licitação, o que significa que a microempresa pode participar do certame estando em débito com o fisco e ainda assim não ser inabilitada.

Não se diga que a microempresa está obrigada a comprovar, na entrega da documentação de habilitação, a sua condição de débito (com certidão positiva ou certidão negativa vencida) em razão do art. 43 da mesma lei dizer que o licitante deverá “apresentar toda a documentação exigida para efeito de comprovação de regularidade fiscal, mesmo que esta apresente alguma restrição”, e isto por dois motivos.

Em primeiro lugar porque tal interpretação conduz ao absurdo e é regra hermenêutica básica que o exegeta não interpreta a norma no sentido do absurdo. Digo que a tal interpretação seria absurda porque se a microempresa pode participar do certame sem comprovar a regularidade é porque ela pode participar possuindo débitos, logo, se a empresa não apresenta a CND é presumível que isto se deva à débitos havidos, pois por qual outro motivo a empresa deixaria de juntar a CND e requerer, em cinco dias, o prazo para regularização?

Se a empresa detém regularidade ela apresenta a CND ou a CPD com efeito de negativa, mas, se não apresenta estas certidões é porque está em débito. Seria absurdo exigir que a microempresa comprove que está em débito como condição para, no momento seguinte, exercer o direito de regularização fiscal em cinco dias.

Em segundo lugar, quando está em questão a Certidão Conjunta Negativa de Débitos Relativos aos Tributos Federais e à Dívida Ativa da União é preciso levar em conta que a obtenção da CND se dá de forma online, mas quando há débitos não parcelados a CPD (Certidão Positiva de Débito), ela só pode ser obtida pelo licitante com requerimento pessoal e feito com antecedência numa unidade da RFB, como consta de informação veiculada no site da Receita Federal:

Certidão Positiva de Débitos relativos a Créditos Tributários Federais e à Dívida Ativa da União (CPD)

Poderá ser fornecida Certidão Positiva de Débitos relativos a Créditos Tributários Federais e à Dívida Ativa da União (CPD), que conterá relação resumida de pendências do sujeito passivo:

1. perante a RFB, relativas a débitos, a dados cadastrais e à apresentação de declarações;

2. perante a PGFN, relativas a inscrições em cobrança;

A Certidão Positiva somente será emitida, exclusivamente, pelas unidades da RFB.

Logo, se uma microempresa tem débitos, ela entrará no site de emissão da certidão conjunta e, uma vez digitado o CNPJ, a mensagem veiculada será “As informações disponíveis na Secretaria da Receita Federal do Brasil – RFB e na Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional – PGFN sobre o contribuinte xxxxxxxxx são insuficientes para a emissão de certidão por meio da Internet”, ou seja, a microempresa devedora não pode obter a CPD no site, só pessoalmente.

Não se diga que por isso a microempresa deve comparecer dias antes numa unidade da RFB e lá obter uma CPD, pois tal entendimento subverte completamente o “tratamento diferenciado” contido na referida LC 123/06 e, antes, aquele estabelecido no art. 179 da CF/88.

Se as microempresas em débito precisam se submeter a uma dificuldade não extensível às demais para se habilitar do ponto de vista fiscal, então o tal “tratamento diferenciado” é só uma miragem.

Não se pode, com espertezas, invalidar o intento do legislador. O que impõe os artigos 42 e seguintes da LC 123/06 é tratamento preferente à microempresa, de modo que se ela tem a CND, ótimo, se não tem, é imprescindível a concessão do prazo de 05 dias para que a microempresa busque a regularização e a comprove ao órgão licitante, nos termos do §1º do art. 43 da citada lei, que diz “havendo alguma restrição na comprovação da regularidade fiscal, será assegurado o prazo de 5 (cinco) dias úteis, cujo termo inicial corresponderá ao momento em que o proponente for declarado o vencedor do certame, prorrogável por igual período, a critério da administração pública, para a regularização da documentação, pagamento ou parcelamento do débito e emissão de eventuais certidões negativas ou positivas com efeito de certidão negativa

O contrário disso viola o direito a tratamento diferenciado, ensejando a concessão de segurança mandamental, como se vê do precedente do tribunal gaúcho: “Não tendo sido oportunizado o prazo previsto no art. 43, § 1º, da LC 123/06 para comprovação da regularidade fiscal, resta configurada a ilegalidade perpetrada pela Comissão de Pregão ao considerar a impetrante, empresa de pequeno porte inabilitada, violando-lhe direito líquido e certo, merecendo ser mantida, portanto, a sentença que concedeu a ordem” (TJRS – Apelação e Reexame Necessário Nº 70061404646, 22ª Câmara Cível, J. em 25/09/2014).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Veja também

TCE/SC Muda Decisão sobre ESF de Jaraguá do Sul

A Prefeitura Municipal de Jaraguá do Sul tem 22 equipes da Estratégia Saúde da Família. Os profissionais de saúde que trabalham nestas equipes são servidores efetivos que recebiam gratificação de função para ficarem exclusivos no ESF, sem a percepção de horas extras. O TCE/SC determinou...

Continue lendo...

JUSTIÇA ELEITORAL INOCENTA PREFEITO DE CAMPO ALEGRE

JUSTIÇA ELEITORAL INOCENTA PREFEITO DE CAMPO ALEGRE

A Justiça Eleitoral em São Bento do Sul julgou improcedente uma ação de investigação judicial eleitoral (AIJE) contra o Prefeito de Campo Alegre, o empresário Rubens Blaszkowski (PSD). O atual Prefeito obteve a reeleição no último pleito e pouco antes de sua diplomação, ocorrida em...

Continue lendo...

Acompanhe-nos

Pesquise no Blog

Busque por palavra-chave, por tags, data de publicação ou título.

Youtube

Clique aqui e confira nosso canal

https://youtu.be/TT5ZaPLWgq4

Newsletter

Assine nosso feed e fique por dentro de novos posts e eventos.